Arquivo da categoria: Misma cosa

456 = 800

vamos, que coruña é bem mais antiga que são paulo. mas para mim ocorre o oposto.

o autor dessa magnífica foto é um dos 230 fotógrafos que participam desse vídeo incrível.

Cousas a facer ata o domingo

1. Descubrir donde vén o olor malo que o vento trae e me causa mareo.

2. Terminar o deseño da páxina do meu proxecto.

3. Escribir os reportaxes do módulo da Susana.

4. Escribir a crónica do módulo do Ignacio.

5. Visitar o planetário.

6. Chamar a miña nai e a miña avoa, que cumpre anos o domingo.

7. Chamar a Alba, que tamén cumpre anos o domingo. Sen embargo, moitos anos menos que a miña avoa, por suposto.

8. Ver Lost na Cuatro en castelán.

9. Dormir, para que o Paco non se enfade. Mais eu sei que non se enfada, porque nunca pasa nada.

10. Escribir un texto para o blog en galego.

Martes 13 + “No a la pornografía”

Hoje é terça-feira 13, o equivalente dos espanhós para a nossa sexta-feira 13. Até pensei em buscar más notícias pelos sites daqui para provar que um número aleatoriamente atrelado a um dia da semana pode mudar o rumo da história, mas fui incapaz. Afinal, eu teria que mudar meus conceitos sobre superstição, magia negra, três toques na madeira, não fazer festa de aniversário antes do dia oficial e brindar com um copo de suco.

Pensando sem a neblina dessas limitações, é claro que os jornais têm notícias boas e ruins, mais pendentes para as ruins porque ninguém gosta de ler que tudo vai bem.

Mesmo assim, prefiro não arriscar em publicar o texto que tinha pensado em deixar aqui. É sobre o jogador brasileiro aqui do Deportivo La Coruña e, como ele está em boa fase, prefiro não mexer com isso. Até porque publiquei o material no meu blog de futebol e horas depois a equipe dele perdeu de virada com um homem a mais. Fica para o fim de semana então, combinado?

Enquanto isso, deixo aqui uma reportagem minha publicada no Terra Magazine em novembro, para aumentar o volume de notícias boas no mundo. É sobre uma campanha de cyberativismo que reuniu 1.115 e foi um sucesso. Não há deus futebolístico capaz de arruiná-la.

Blogueiros planejam inundar busca dos pedófilos

Divulgação

Pôster da campanha online pornografia infantil NÃO! foi traduzido para oito idiomas

Pôster da campanha online “pornografia infantil NÃO!” foi traduzido para oito idiomas

Ana Carolina Moreno
De La Coruña, Espanha

Uma campanha espontânea entre blogs de vários países aproveita a data de hoje, Dia Mundial das Crianças, de acordo com a ONU, para trazer à luz ao menos uma parte das teias invisíveis da internet. A idéia surgiu depois que um grupo de blogueiros da Espanha descobriu um fenômeno comum entre eles: posts que usam como tags (palavras-chave usadas pelos robôs de busca) o termo “pornografia+infantil” acabam recebendo muito mais visitas que o normal, mesmo que o conteúdo tenha argumentos contrários ao assunto. E o fenômeno geralmente desequilibra a média de leitores durante várias semanas.

Ao perceberem o volume de internautas pesquisando, a qualquer momento, por este termo, eles decidiram reunir o maior número possível de escritores na web que aceitassem publicar, nesse 20 de novembro, um texto em seus blogs contendo a mesma expressão. A diferença é a adição, ao final dela, da breve e contundente palavra “não”.

Segundo o jornalista Nacho de la Fuente Lago, autor do La Huella Digital (A Pegada Digital), vencedor do prêmio de melhor blog em espanhol do The Best of the Blogs de 2006, o objetivo é “mostrar a quem tem interesse por esse tipo de material que eles estão procurando uma coisa ruim e errada”. Esses, segundo o blogueiro, seriam os pedófilos amadores.

Do outro lado, ainda mais obscuro, as redes organizadas de pedofilia continuam ultrapassando fronteiras e se organizando bem longe da superfície virtual. “Eles se movem pela rede p2p para trocar arquivos”, explica de la Fuente. As redes p2p permitem que duas pessoas se conectem diretamente uma ao computador da outra, utilizando a internet. O número de prisões ainda é baixo se comparado ao volume de vítimas.

Na Espanha, em 2008, mais de 200 pessoas foram presas em diversas operações, sendo que apenas duas delas produziam seu próprio material. No total, milhões de fotos diferentes foram apreendidas. Uma das ações, coordenada em outubro, contou com a colaboração da Polícia Federal brasileira, que apenas pôde emitir mandados de busca e apreensão.

No Brasil, por causa da falta de leis sobre pedofilia, a posse desse material não configura crime. Mesmo atrasado juridicamente, o país está entre os pioneiros na fiscalização, denúncia de conteúdo impróprio e articulação entre sociedade civil e Ministério Público. Entre 25 e 28 de novembro, o Rio de Janeiro sediará o III Congresso Mundial de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que acontece pela primeira vez fora dos países desenvolvidos.

Mobilização

Enquanto a polícia persegue os agressores profissionais, a blogosfera decidiu se unir hoje para bombardear os navegadores de quem consome esse tipo de imagens com uma mensagem contra a pedofilia. Entre 20 de outubro e ontem, a campanha “Pornografia Infantil Não” havia recrutado mais de 940 blogs escritos em oito idiomas, incluindo o português, e já contava com mais de 22 mil posts no sistema GoogleSearch condenando a busca, posse, produção e distribuição de imagens pornográficas envolvendo crianças e adolescentes. Os textos utilizam ainda outras palavras-chaves favoritas de quem tenta conseguir esse tipo de material, como “angels”, “boyboy”, “lolitas”, “fetishboy” e “preteens”.

O jornalista de la Fuente foi responsável por iniciar a campanha, mas a viralização da idéia ficou a cargo de voluntários espontâneos do mundo todo, que traduziram o cartaz virtual, publicaram vídeos no YouTube e inclusive criaram um grupo na rede social Facebook, hoje com mais de 3.400 membros. “Eu nem conheço quem fez isso. Pensava que teria uma repercussão pequena, mas a resposta foi dez vezes maior do que imaginei”, afirma.

Para participar da campanha, basta escrever um texto contra a pornografia infantil e publicá-lo em seu blog preenchendo, no campo de tags, os termos “pornografia infantil não”, “angels”, “lolitas”, “boylover”, “preteens”, “girllover”, “childlover”, “pedoboy”, “boyboy”, “fetishboy” ou “feet boy”. Quem quiser incluir o blog na lista oficial de participantes precisa deixar um comentário neste post com o endereço virtual.